Empatia e leitura

A leitura é muito mais do que a simples decodificação de um texto para fins informativos ou distrativos. Ler é um vício, uma necessidade. Logo, a leitura é uma compulsão prazerosa e, porque não, saudável.

Nessa necessidade em ler, acabamos descobrindo mundos fantásticos e desconhecidos, mas também encontramos situações que despertam uma sensação de familiaridade com as idéias do texto, como se esse ou aquele livro esteve por aí há tanto tempo só esperando pela sua leitura.

Na primeira vez em que li 1984 fiquei entusiasmado com a crítica à cultura de massa que George Orwell construiu a partir da estrutura do Ministério da Verdade, que além de produzir mentiras jornalísticas era responsável pela criação de músicas populares – “fabricadas” por máquinas – e de revistas pornográficas, entre outras formas de entretenimento para controlar a prole. A satisfação em ler algo tão bem elaborado de um pensamento que já existia em mim aumentou meu interesse pela história.

E no mesmo 1984, enquanto Winston lê o suposto livro de Goldstein, a mesma sensação surge no personagem:

“O livro fascinava ou, mais exatamente, dava-lhe nova tranquilidade. De certo modo, nada lhe dizia de novo, mas isso fazia parte do seu atrativo. Dizia o que ele diria, se lhe fosse possível pôr ordem nos seus pensamentos dispersos. Era produto de um cérebro semelhante ao seu, porém enormemente mais poderoso, mais sistemático, menos medroso. Ele percebia que os melhores livros são os que dizem o que já se sabe.”

E Orwell, por meio de Winston, tem suas razões. Enquanto muitos acreditam que um livro para ser bom ter que ser revolucionário, há muito de nós a ser encontrado em páginas perdidas pelas estantes.

Anúncios

2 Respostas

  1. Preciso atingir esse vício.
    O discorrer sobre suas leituras nos convida a realmente entrar no universo dos livros…
    Contudo, a vida de um discente só permite tempo as leituras “obrigatórias” da graduação.
    Como é o meu caso…

  2. Pois é… dura vida de estudante!
    Mas pelo menos suas leituras obrigatórias não são chatas como as de um curso de Direito, né?! hehe
    Eu até me divertia com alguns livros da facul… Foi assim que li (e amei) Morte em Veneza.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: