Homers e Mucamas? Não!

Ai Sinhá… Não entendi nada do que disse, mas do jeito que falou parece tão lindo!
A ingênua e despretensiosa fala folhetinesca acima faz parte de um diálogo da novela Sinhá Moça, entre a mocinha branca e sua mucama. Apesar da singeleza da fala, podemos resumir nela a visão das empresas de comunicação com seu público.silviogngl01
Os meios de comunicação, transformados em corporações empresariais, objetivam o lucro, como qualquer ramo capitalista. Para isso não é importante para os mesmos a fidelidade do conteúdo, da informação, a conscientização do público. O importante é abusar nos efeitos tecnológicos, nos atrativos audiovisuais, proporcionando um encantamento sedativo nos telespectadores. É a realidade nua e crua dando lugar para o Show da vida, onde o Jornalismo é transformado em Shownarlismo. Puro entretenimento.
Com essa estranha ideologia somos bombardeados pelo tele-jornalismo de informações rasas, onde os buracos são preenchidos por tecnologia de ponta e sonoplastia envolvente num casamento perfeito a fim de hipnotizar o público, considerado pelos chefes de redação como Homer’s e mucamas.
Apesar de registrar a luta ideológica entre um senador americano e a rede de tevê CBS, liderada pelo repórter Edward R. Morrow, o filme Boa Noite e Boa Sorte é muito mais que um registro de uma fase da carreira profissional de Morrow. Com sua estética e linguagem objetiva, assemalha-se mais a um documentário do que a uma película, para criticar os bastidores do jornalismo.
Ao longo da narrativa as feridas de uma redação jornalística são cutucadas: a dependência de patrocínios (e conseqüente submissão aos patrocinadores), atritos ideológicos entre jornalistas e proprietários de jornais, desinteresses das empresas de comunicação em investir na informação, pressão externa de grupos políticos e governamentais.silviogngl02
A linha de pensamento é brilhantemente finalizada pelo discurso de Morrow, sentenciando que a televisão deve ser muito mais do que uma caixa de luz e fios com o objetivo de distrair e emburrecer as pessoas. A tevê deve evitar a idéia de que é feita para Homer’s e mucamas que se distraem com algo que não entendem. Infelizmente o pensamento de Edward R. Morrow não é compartilhado pelos empresários de comunicação, mas o aviso está dado.
(Texto originalmente publicado no Poppycorn em 06 de abril de 2006)
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: