Suco de ritmos made in Nederland

Uma apresentação superficial da banda Zuco 103 já desperta curiosidade: banda holandesa formada por baterista holandês (Stefan Kruger), tecladista alemão (Stefan Schmid) e vocalista brasileira (Lilian Vieira), cuja referência musical baseia-se em ritmos brasileiros, mesclados a estilos eletrônicos e afins. Por enquanto nada de muito diferente do modernoso Drum’n’Bossa de Fernanda Porto e Bebel Gilberto, que é sucesso indiscutível nos playlists de lojas chiques de interiores.zuco01
Logo na faixa inicial do álbum Tales of High Fever – originalmente lançado em 2002, agora, cinco anos depois, chegando oficialmente ao Brasil -, Treasure é um bom exemplo dessa sonoridade, provocada ao casar lounge music com MPB, recheada de batuques, violão e sintetizadores. Da mesma forma, a faixa Voltando reforça o estilo Drum’n’Bossa da banda a partir da tranqüila percussão e sons elétricos, somados a pitadas de jazz. Em ambas faixas, o vocal de Lílian dá o toque especial com seu timbre firme em letras singelas e alegres, exaltando o prazer de viver de música.
Com um pé na Drum‘n’Bossa e outro em batidas latinas, a faixa Peregrino narra a frustrada tentativa de um rapaz em “cair então no mundo”. Já em Brasil 2000 a latinidade vem em forma de uma salsa elétrica, para a letra indignada sobre as empresas de telefonia no Brasil, até chegar no refrão que o batuque latino cede lugar para uma bateria nervosa e guitarra apoiarem o desabafo: “Eu quero ligar / ah eu quero ligar / o orelhão não funciona / eu quero ligar / mas se tá faltando cabo? / quem é que vai instalar? / ah eu quero ligar!”zuco02
Mas nem só de influências de MPB e Bossa Nova vivem o Zuco. Uma pitada de baião surge, aos poucos, com o ritmo marcado pelo som do triângulo, no romântico samba Brief Passions, tornando-se mais forte na excelente Curso de Reclamação – Lição 1, onde trechos cantados em repente, acompanhados além do triângulo, pelo delicioso som da rabeca (uma espécie de ancestral do violino) vão marcando o animado xaxado-beat do trio holandês.
Do xaxado-beat, a banda arrisca uma divertida mistura de ritmos do candomblé com música eletrônica. Em Saci (Ghost Boy in the whirlwind), as batidas afros são acompanhadas pelo vocal que fica entre a cantoria e o discurso nas referências folclóricas e religiosas. Já em Morro Elétrico a batida afro transforma-se em um sambão eletrônico e agitado em homenagem às sambistas Clementina de Jesus e Ivone Lara.
zuco03Depois de tanto agito, energizado pela ultra-eletrônica Tão Lonely, os bpm’s são reduzidos na bilíngüe Get Urself 2gether e I Came, But…, além do simpático cover de Bebete Vambora, de Jorge Ben Jor, que recebeu um toque especial com a flauta transversal.
Apesar do atraso de cinco anos no lançamento oficial no Brasil, Tales of High Fever mostra-se completamente atual e com o frescor de novidade pela criativa mistura de ritmos e sonoridades que propõe, fugindo do lugar comum, misturando ritmos brasileiros num saboroso suco. Afinal, se não fosse a dificuldade de pronúncia dos colegas de Lilian com a língua portuguesa, seria esse o nome da banda.
(Texto originalmente publicado no Poppycorn em 04 de maio de 2007)
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: