Arquivos de Tag: Séries

Tudo o que é sólido pode derreter

Tudo o que é sólido pode derreter é uma série brasileira de 2009, co-produzida pela TV Cultura e Ioiô Filmes, que tem como personagem principal a garota Thereza (Mayara Constantino) e suas reflexões sobre a transição para a idade adulta, sempre traçando paralelos com alguma obra da literatura de língua portuguesa.

A série é derivada de um curta-metragem do mesmo nome, produzida em 2005, tendo na direção de ambas produções Rafael Gomes, também responsável por Tapa na pantera. O curta Tudo o que é sólido pode derreter está disponível no Porta Curtas.

A adaptação em série teve 13 episódios, cada um focado em uma obra literária específica, permeados pelo cotidiano de Thereza. Logo no primeiro episódio, as divagações da protagonista tem o respaldo do dualismo de Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, e ainda conta com a participação de Maria Alice Vergueiro no papel do Diabo.

Os Sermões (Padre Antônio Vieira), Os Lusíadas (Luis Vaz de Camões), Senhora (José de Alencar), Dom Casmurro (Machado de Assis) e Macunaíma (Mario de Andrade) são algumas das obras revisitadas na série, sempre com episódios que trilham entre a comédia e o drama de forma divertida e carismática.

Tudo o que é sólido pode derrenter ainda pode ser visto pela programação da TV Cultura, em DVD ou até mesmo no site do canal.

Acabou em 2010

O ano de 2010 foi o último de quatro séries que eu acompanhava quase que semanalmente (algumas vezes, cheio de frustração). Entre encerramentos bons, ruins e emergenciais, seguem as 4 falecidas:

Ugly Betty

Após inúmeras adaptações internacionais da telenovela colombiana Yo soy Betty, la fea, foi a vez da versão americana, co-produzida por Selma Hayek, tornar realidade. Produzida pelo canal ABC, Ugly Betty a princípio parecia mais uma adaptação para tv do filme O Diabo Veste Prada, do que um dramalhão hispânico com pitadas de humor. A primeira temporada foi sem dúvida a mais divertida e bem planejada nos 4 anos de existência da série. A partir da segunda temporada, a série foi da dramédia para o dramalhão cansativo e repetitivo, recuperando o fôlego tarde demais, somente na última metade da quarta temporada.

De 2006 a 2010, Ugly Betty contou com 85 episódios ao longo de quatro temporadas. Entre outros prêmios, faturou Emmy e Globo de Ouro em 2007 em categorias principais. No Brasil ainda é exibida pelo canal Sony e SBT.

Nip/Tuck

A série superficialmente profunda sobre a dupla de cirurgiões plásticos e os pacientes muitas vezes bizarros que nomeiam os episódios chegou ao fim após 100 episódios distribuidos em seis temporadas ao longo de sete anos. Mesmo entre altos e baixos, Nip/Tuck nunca perdia o gosto pela polêmica: drogas, variados comportamentos e identidades sexuais, psicoses, doenças raras eram temas constantes.

Produzida pelo canal FX e criada por Ryan Murphy (o mesmo criador de Glee), Nip/Tuck levou o Globo de Ouro de melhor série dramática em 2005 e também o Emmy de maquiagem em 2004. No Brasil recebeu o nome de Estética na programação do SBT e também foi ao ar pela FOX e FX.

Heroes

Pessoas comuns com super poderes deu certo na primeira temporada. A partir da segunda temporada, Heroes foi uma sucessão de erros e clichês imperdoáveis. Levou 78 episódios em 4 temporadas para o canal NBC dar fim nesse desastre.

Lost

Muitos mistérios, várias perguntas e poucas respostas foram fundamentais no sucesso de Lost ao longo dos 115 episódios em 6 temporadas. O elenco numeroso mergulhado em tramas de ação e suspense virou mania e rendeu vários prêmios (01 Globo de Ouro em 2006 e 10 Emmy em 2005, 2007, 2008, 2009 e 2010). Depois de tantas perguntas, claro que o final rendeu muita frustração na maioria do público, mas mesmo assim merece todos os elogios que recebe.

In Treatment

Episódios de 25 minutos que retratam uma sessão de terapia. Psicólogo e paciente sentados e conversando, sempre no mesmo ambiente, sem flashbacks, nenhuma dramatização dos assuntos abordados. Somente 25 minutos de conversa entre duas pessoas. A fórmula de In Treatment pode soar tediosa, mas a série produzida pelo canal HBO e adaptada da série israelense BeTipul, é um dos melhores e mais cativantes dramas da tv.

Com cinco episódios por semana, cada um dedicado a um paciente, In Treatment sempre encanta com diálogos fascinantes e interpretações impecáveis, tendo Gabriel Byrne – o psicólogo Paul Weston – como peça central. A série conta com a participação – premiada no Emmy de 2008 – de Dianne Wiest no papel de Gina, a psicóloga de Paul, e Michelle Forbes (True Blood, Lost) como esposa de Paul.

Entre os pacientes, na primeira temporada, vale a pena destacar a atuação de Mia Wasikowska (que deixou a desejar como a Alice de Tim Burton). A série também rendeu um Emmy para Glynn Turman em 2008, além do Globo de Ouro de 2009 para Gabriel Byrne.

Atualmente In Treatment está na 3ª temporada, sendo a primeira com roteiro original (BeTipul teve somente duas temporadas), e não tem previsão para ser exibida no Brasil.

Poster da 6ª temporada de Weeds

Novo material promocional da 6ª temporada de Weeds começa a aparecer junto com o enredo central da nova temporada: “Com sangue nas mãos e o bando de Esteban no rastro, os Botwins dizem adios a Ren Mar e caem na estrada para uma viagem selvagem”.Até então, a má notícia sobre Weeds é a saída da atriz Elizabeth Perkins (a insana Celia Hodes) da série para dedicar-se em outros projetos.

A série volta à grade do canal Showtime no dia 16 de agosto.

6ª temporada de Weeds é anunciada

Mantendo a tradição de divulgar a próxima temporada sempre no dia 20 de Abril (em referência ao número 420, símbolo da celebração da cultura cannabis), a série Weeds – sobre a dona de casa e traficante de maconha Nancy Botwin (Mary-Louise Parker) – anunciou o retorno na grade de programação do canal Showtime para 16 de Agosto, além do novo poster.

Mesmo após uma razoável temporada, que contou com a participação da cantora Alanis Morissette no elenco, a série tem tudo para um ótimo retorno com a 6ª temporada ao dar continuidade ao chocante último episódio, marcado pela sinistra evolução do caráter do de Shane (Alexander Gould), filho caçula da protagonista.

(via UGO Entertainment)

Dicas de podcasts – parte 2

Dando continuidade às dicas de podcast de pouco mais de um ano atrás, selecionei outras interessantes opções para baixar e ouvir.

Nacionais

A Rádio CBN disponibiliza todos os programas, boletins e comentários de sua grade em podcast. Dentre as inúmeras opções, seleciono e indico as seguintes:

  • Mundo Sustentável, por André Trigueiro

Notícias e análises sobre sustentabilidade, ecologia, ambientalismo.

Duração média: 12 minutos.

Feed: http://imagens.globoradio.globo.com/cbn/podcast/comentaristas/andre-trigueiro.xml

  • Ethevaldo Siqueira

Breve bate-papo sobre novidades em tecnologia.

Duração média: 3 minutos.

Feed: http://imagens.globoradio.globo.com/cbn/podcast/comentaristas/ethevaldo-siqueira.xml

  • Sessão de Cinema – Marcos Petrucelli

Notícias e análises sobre os últimos lançamentos do cinema, feito pelo editor do e-Pipoca.

Duração média: 10 minutos.

Feed: http://imagens.globoradio.globo.com/cbn/podcast/comentaristas/marcos-petrucelli.xml

  • Mundo Corporativo – Max Gehringer

Espécie de FAQ sobre empresas, carreira e afins.

Duração média: 02 minutos.

Feed: http://imagens.globoradio.globo.com/cbn/podcast/comentaristas/max-gehringer.xml

Internacionais

O maior site de cinema da França (uma espécie de IMDB) disponibiliza trailers dos próximos lançamentos do cinema francês e internacional.

Feed: http://rss.allocine.fr/bandesannonces/ipod

  • Les Concerts à emporter

Um incrível videocast do site francês de música La Blogotheque, que leva artistas a cantarem em lugares nada convencionais.

Feed: http://feeds.feedburner.com/concertsaemporter

  • The World Series

Podcast do blog de séries Le Monde de Séries, integrante da versão online do jornal francês Le Monde.

Duração média: 30 minutos.

Feed: http://feeds.feedburner.com/theworldseries

  • ZeMIXX par Joachim Garraud

Um dos melhores e mais agitados podcast de música eletrônica. Ideal para ouvir na academia.

Duração média: 1 hora.

Feed: http://joachimgarraud.com/Zemixx_By_DJ_Joachim_Garraud.rss

Fringe – A Grande Conspiração

A grande jogada de divulgação no lançamento da série Fringe em relacionar esta a Lost, outra criação de sucesso de J.J. Abrams, foi concentrar as atenções à sinopse do episódio piloto: um avião oriundo da Alemanha com destino a Boston aterrisa regularmente, porém todos tripulantes e passageiros estão mortos e num avançado estágio de decomposição.

Com um piloto impecável, que em 1h20 supera muitos filmes de ação, Fringe planta o “mistério do avião” para já solucioná-lo no mesmo episódio, rompendo com o esquema de mistérios aparentemente inexplicáveis que permeiam a trama de Lost. A estrutura de Fringe, assim como os mistérios que surgem e são desvendados no mesmo episódio, assemelha bastante com a já clássica série Arquivo X. No entanto, enquanto a saudosa dupla Mulder (David Duchovny) e Scully (Gillian Anderson)  investigavam casos sobrenaturais e alienígenas, a Agente Olivia Dunham (Anna Torv) lidera uma divisão da FBI responsável em investigar uma série de crimes que envolvem experimentos científicos marginais, chamado de O Padrão, que usam todo o planeta como laboratório.

Os parceiros nas investigações de Olivia são Dr. Walter Bishop (John Noble) – um super cientista que passou 17 anos recluso em umsanatório – e seu filho de alto QI e excêntrica ficha criminal Peter Bishop (Joshua Jackson). Ao longo da primeira temporada, o trio depara com situações envolvendo telecinese, precognição, viagem entre dimensões paralelas, teletransporte e outras casos mais inusitados e surreais como o super download que liquefaz cérebros. O que mantém a relação entre os mistérios de cada episódio são as conexões entre as experiências fantásticas com a megacorporação Massive Dynamics, empresa de alta tecnologia fundada pelo Dr. William Bell (Leonard Nimoy), um antigo companheiro de pesquisas de Dr. Bishop.

Impossível falar de Fringe sem citar o estranho personagem Observador (Michael Cerveris) que em muitos episódios é tão imperceptível quanto o lendário Wally dos livros infantis. Com a função única de observar fênomenos pelo mundo, o(s) Observador(es) normalmente confunde-se com o cenário; apesar de um único episódio (The Arrival) dedicado à criatura, o mesmo aparece em toda a primeira temporada. Outra curiosidade na séria fica por conta das imagens exibidas nos cortes para intervalo comercial que, dependendo de algumas marcações e posição da imagem formam uma espécie de tipografia, criando palavras chaves para cada episódio.

Atualmente, Fringe é exibida nos EUA pelo canal Fox e está na segunda temporada. No Brasil, além do canal pago Warner Channel, o SBT exibe a série nas madrugadas de sábado. Após mudanças de horários de exibição na Fox, recentemente Fringe correu risco de cancelamento pela queda de audiência, mas após recuperar bons índices ganha chances de ser renovada para a terceira temporada.

Contagem regressiva

Nas próximas semanas algumas das minhas séries favoritas voltam com novas temporadas lá fora:

21 de setembro:

heroes4thHeroes – 4ª Temporada: Acompanhar Heroes é ficar esperando por qualquer absurdo no roteiro e tolerar dezenas de novos personagens nem sempre necessários, mas até que é divertido. O desfecho da 3ª temporada, com a transformação de Sylar em Nathan, deu o sinal de que o plano da matriarca Petrelli não foi muito bem sucedido. Entre os novos personagens, foi escalada a excelente Madeline Zima (A Mia de Californication) para o papel de Gretchen, roomate de Claire.

25 de setembro:

UglyBetty4thUgly Betty – 4ª Temporada: A “dramédia” Ugly Betty recuperou um pouco do humor na última temporada (após um dramalhão sem fim na 2ª temporada). Betty foi promovida na Mode, mas pelo jeito terá um chefe pior do que Wilhelmina: seu ex-namorado. Veja aqui um trecho divertido da nova temporada.

27 de setembro:

dexter4thDexter – 4ª Temporada: O melhor e mais carismático serial killer agora é papai. Além de fator família ficar mais presente na nova temporada de Dexter, a escolha de John Lithgow para o papel do vilão Walter Simmons promete um show de interpretação. Lithgow também espera que com a participação em Dexter o público esqueça um pouco o extraterrestre panaca Dick Solomon, de 3rd Rock From the Sun.

Californication3rdCalifornication – 3ª Temporada: Arrisco dizer que Californication tem um dos elencos mais brilhantes da tevê. Os méritos da série não ficam apenas focados no Hank Moody de David Duchovny; Madeline Zima é um show à parte com a maluca Mia (e pensar que ela já foi a adorável Grace, em The Nanny) e Madeline Martin, como Rebecca Moody, faz a Juno de Ellen Page parecer uma criança boba. E nesta temporada mais um nome de peso entra nos créditos: Kathleen Turner.

14 de outubro:

Nip/Tuck – 6ª Temporada: a última temporada do festival de insanidades e cirurgias plásticas tá chegando. Mais uma vez Nip/Tuck terá uma temporada dividida em duas partes, sendo esticada até meados de 2011. Mas pelo menos alguns ótimos vídeos promocionais estão aparecendo pela web. Confira:

Rindo da amnésia alheia

samantha-who

Originalmente exibido pelo canal ABC com a co-produção da Touchstone Television e exibida no Brasil pelo canal pago Sony, a comédia Samantha Who? teve vida curta: 35 episódios em duas temporadas. Estrelada por Christina Applegate, Samantha Who? apresenta a confusa protagonista que, após ser atropelada por um desconhecido e passar 8 dias em coma, acorda sem nenhuma lembrança sobre sua vida e descobre em pouco tempo que até antes do acidente era uma pessoa má e egoista com uma legião de desafetos.

Na tentativa de recuperar a memória, Samantha aproveita para reparar as maldades do passado e virar uma pessoa boa. Entre as repentinas lembranças da Samantha Má e os esforços da Samantha Boa é onde toda a graça da série se sustenta, marcada por situações banais do dia-a-dia enfrentadas com a dificuldade de quem não se lembra de nada.

samantha-who1Christina Applegate não é nenhuma novata em comédias na tv: 20 anos antes de Samantha Who?, a atriz ficaria famosa na pele de Kelly Bundy, a loira-burra da família Bundy na sitcom Married With Children, que ficou no ar por 11 temporadas. Logo após o cancelamento de Married with Children, Applegate ganhou o papel principal em outra comédia, Jesse, que também contava com o brasileiro Bruno Campos. Após o cancelamento de Jesse, Applegate voltou a aparecer na tv como uma das irmãs de Rachel, em Friends.

Mas o elenco de apoio em Samantha Who? não deve ser esquecido. As amigas Dena (Melissa McCarthy) e Andrea (Jennifer Esposito), além da maluca Regina (Jena Smart) – mãe de Samantha – e o porteiro rabugento Frank (Tim Russ) rendem situações hilárias, fazendo da série uma comédia leve e despretensiosa, algo que estava em falta nos últimos anos com a ascensão de reality shows, dramas e mistérios.

Mesmo com ótimos índices de audiência, Samantha Who? foi cancelada com a justificativa que sua produção era muito cara. Apesar do apelo de fãs e da própria protagonista, a história chegou ao fim de forma um tanto apressada, mas sem decepcionar, ligando as pontas soltas e revelando quem atropelou Samantha.

Famke Janssen nos últimos episódios de Nip/Tuck

Apesar das sempre longas férias, a série Nip/Tuck – produzida pelo FX e exibida no Brasil pela Fox – que volta ao ar na 6ª (e última) temporada somente em 2010 promete manter o clima sombrio que consagrou a trama.

O criador e roteirista de Nip/Tuck Ryan Murphy – também responsável por Popular, Pretty/Handsome (que não passou do fantástico episódio piloto) e a nova série de comédia musical Glee – deixou um interessante recado no fórum de fãs de Nip/Tuck:

Hoje acabei o último script de Nip/Tuck… o 100º episódio. O fim. Muito estranho.

Mas pensei em confirmar uma coisa aqui no fórum já que vocês têm sido ótimos e fiéis:

Ava Moore (Famke!) volta para os dois últimos episódios.

AvaMoorePara quem esqueceu (e é possível?), Famke Janssen (Jean Grey em X-Men) interpretou na 2ª temporada a transexual Ava Moore que além de namorar o ingênuo Matt (John Hensley), mantinha um relacionamento com o filho adotivo Adrian (Seth Gabel). Na última aparição, após Adrian ser esfaqueado acidentalmente durante uma discussão com Ava, a mesma foge para Paris e deixa o corpo do garoto apodrecendo na casa, sendo encontrado meses depois.

Quem deu a dica da postagem de Murphy foi o colunista do Entertainment Weekly Michael Ausiello.